Domingo, 22 de Agosto de 2010

Crônicas 1

MÚSICA E COESÃO SOCIAL

Na Família, na Escola e na Comunidade

J. Jorge Peralta

 

1. O Povo Brasileiro, como o Português e outros, fazem da música o refrão de suas vidas. Cantam por toda a parte. A Escola não pode perder essa tradição. A música alegra o coração das pessoas e é um eficaz veículo de união e socialização.

 

A música popular, que da alma do povo brotou, como o sol da primavera, é uma força coletiva, capaz de cooperar para restaurar as forças perdidas, na educação das novas  gerações.

O canto aquece o coração das pessoas e eleva a alma e o psiquismo.

Em momentos  como este, de certo marasmo cultural, com a educação

em crise, em todas as suas dimensões, a música pode ser uma nova alavanca sócio-cultural da sociedade. A música, cantada em grandes ou pequenos grupos, no processo de educação, se adequadamente  selecionada, estimula a solidariedade e a coesão grupal e acalenta o coração. Alavanca a alma nacional e o sentido do universal da vida.

Na música, as pessoas cantam juntas, a mesma letra, a mesma melodia, o mesmo ritmo e o mesmo tom. Às vezes cantam e dançam.

Diz a sabedoria popular: quem canta, seus males espanta.

 

2. Ao propormos, novos paradigmas de uma sociedade próspera, em termos culturais e de bem-estar social, não podemos nos deixar cair na tentação de opor a cultura e o bem-estar  social, ao desenvolvimento técnico-científico e econômico. Antes, precisamos saber articular as duas dimensões. A cultura e a economia, são dois lados integrantes e intercomplementares da organização da vida na sociedade contemporânea. Separá-los é trilhar as sendas da decadência e do desequilíbrio sócio-cultural. Economia sem cultura  é como um corpo sem alma, sem vida, sem entusiasmo.

 

3. As canções conhecidas como folclóricas, ou música popular, cantadas em coro, com ou sem movimentos, dão nova vida e novo alento às crianças e aos adolescentes, em hora de entretenimento.

A educação musical, hoje tão esquecida e abandonada, é um instrumento fundamental para criar, na escola, um espírito coletivo de

 

solidariedade, união e auto-estima. O canto e a música alegram o coração das pessoas e da nação.

 

Não é compreensível que um instrumento tão eficaz de coesão grupal esteja sendo alijada de uma escola, onde já prestou tão bons serviços. A não ser que tenhamos como objetivo a degradação da nação. Solidariedade pratica-se, antes de ser teorizada.

Perdendo a música de raiz, a escola se racionaliza, e se intelectualiza, em abstrações pouco estimulantes e pouco convincentes, buscando uma produtividade impossível, sem recursos didáticos, adequados ao despertar de uma nova força entre todos os envolvidos: alunos e professores.

Quando falo em Música de Raiz, refiro-me às músicas que elevam o sentimento de solidariedade da sociedade sem qualquer viés de política partidária.

A música faz parte do projeto “Escola Viva e Ativa”, que patrocinamos, ainda não publicado.

Se a escola desenvolvesse, regularmente, estudo e prática da Música, grandes beneméritas empresas de São Paulo, algumas quase centenárias, especializadas em produtos para o ensino e prática musical, não estaria em sérias dificuldades econômicas, algumas já fechando as portas.

 

4. Os educadores e as organizações comunitárias, formais ou informais seriam verdadeiros guardiões da tradição musical de nosso povo. No entanto, estes estão perdendo seu discurso. Os grandes meios de comunicação vão abafando e silenciando suas vozes, uma a uma.

A música é a alma de uma sociedade atuante e comunitária que vai sendo extinta, e sucedida por uma sociedade individualista, egoísta e esteriotipada.

A música é atividade social de primeira grandeza.

Fala ao espírito  e ao coração e estabelece elos de união.

Apelamos então para que as pessoas responsáveis devolvam a música  e o canto à escola e a todas as atividades sócio-culturais da comunidade: a música em que toda a platéia sejam o cantores.

 

5. No site “Música da Lusofonia”

< http://musicadalusofonia.blogs.sapo.pt > dou partida para o início de uma seleção de músicas, que podem prestar  um bom serviço à comunidade e aos especialistas, na promoção da coesão social grupal, e na descoberta da música, como um grande potencial, nos processos de educação e vivências comunitárias.

Para continuar, clique

tags:
publicado por musicadalusofonia às 12:49
link do post | comentar | favorito
|

.Componente 1

Palavra do Editor


MÚSICA E IDENTIDADE NACIONAL


A música genuína de um povo revela a alma da nação. A música acompanha os povos lusófonos por toda a parte. Música Popular, Música Erudita, Música Clássica.


É uma de suas marcas indelébeis.


O carinho pela música é uma das marcas da nossa identidade.


Nosso povo canta em casa, no trabalho, pelas ruas, em eventos culturais e religiosos, em manifestações públicas. Canta quando está alegre e quando está triste. Este é um espaço a serviço de nossa música.


Quando nos detemos na apreciação da música da lusofonia, verificamos a existência de grandes obras musicais, produzidas através dos séculos. Verdadeiros Monumentos de criatividade que enlevam os nossos corações.


Esta é a missão deste espaço virtual.


É fácil verificar que a lusofonia dispõe de muitas composições musicais que ombreia com o que de melhor produziram os grandes artistas, através do tempo, pelo mundo afora.


Dispomos de obras geniais, na música erudita, como na popular e na música litúrgica.


Esta ideia foi desenvolvida pelo Prof. Dr. José Maria Pedrosa Cardoso, da Universidade de Coimbra, com a colaboração do Maestro Prof. Dr. José Eduardo Gandra Martins, da USP, em curso ministrado em São Paulo, na Casa de Portugal, no mês de outubro deste ano de 2010.


No entanto, é patente que as grandes produções musicais dos países lusófonos, ainda são pouco difundidas, portanto, são pouco conhecidas. O Poder de marketing e de difusão dos países de economias mais fortes açambarcam todos os espaços, nas sociedades de consumo.


O grande objetivo deste sítio é descobrir e divulgar os nossos grandes compositores e prestigiar o que é nosso É motivar outros a fazerem o mesmo.


Precisamos descobrir o Portugal profundo, o Portugal da arte e do espírito. Para muitos este espaço será uma memorável descoberta.


Aqui damos as mãos a quantos, pelo mundo afora fazem trabalho idêntico. E são muitos. Não estamos sós.


A boa música é um bálsamo para a nossa alma. Ela enleva o nosso espírito e o nosso psiquismo, produzindo a paz interior e dando mais sentido à vida.


Nos grandes momentos nunca falta a música.


Diz Camões:


Outros com vozes que os céus feriam


Instrumentos altíssimos tangiam” (Lus. II, 90)

Esta é a razão de ser deste site/blogue: é um espaço especializado para a divulgação da produção do que há de melhor na música dos países lusófonos: Portugal, Brasil, Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné Bissau, S. Tomé e Príncipe e Timor Leste.

Pelas dimensões que se propõe, este site estará  sempre incompleto, sempre sendo ampliado, conforme as condições de que  dispusermos. Nunca estará acabado.


 

Queremos que este espaço seja um arsenal da música lusófona, que sirva  para enriquecer os apreciadores e estimular os pesquisadores e estudiosos.

 

Aqui divulgamos o resumo do curso ministrado pelo Prof. Cardoso que é uma grande síntese da grande produção musical de Portugal.


Este curso foi o que motivou a construção deste site.


Aos poucos queremos que este espaço seja uma referência para quem quiser descobrir a “Música da Lusofonia”. Talvez demore ao menos uns dois anos, mas o sonho será realidade. O Projeto é muito ambicioso.


À produção  de Portugal e do Brasil já temos acesso garantido.

 

Antecipadamente  agradecer a quantos puderem nos ajudar a preencher a  produção musical dos países lusófonos africanos: (Angola, Moçambique, Guiné Bissau, Cabo Verde e S. Tomé e Príncipe) e de Timor Leste, onde a nossa pesquisa está apenas iniciando, com tempo restrito.

 

Devemos acrescentar: nossa música nos conecta com a vida, com o mundo e com os nossos valores mais profundos. A música nos irmana: cria fraternidade.

A música  alegra o coração de nossa gente e nos faz mais gentis e mais humanos.

“Quem canta seus males espanta” diz o nosso povo.

 

Para entender melhor as dimensões da Lusofonia, leia:

Nossa Pátria Lusófona

http://www.portaldalusofonia.com.br/artigosnossapatria.html

Lusofonia, um Patrimônio Histórico Imaterial

http://globilingua.blogspot.com/2008/03/lusofonia-um-patrimonio-historico.html

Lusitanidade, Lusofonia e Universalidade

http://tribunalusofona.blogspot.com/2009/12/blog-post_08.html

 

José Jorge Peralta

.tags

. crônicas

. martim codax

. menu

. música erudita portuguesa

. todas as tags

.Música Medieval Portuguesa 3